jeudi 24 décembre 2009

Faro meu


O inesperado à porta
cães selvagens à espreita
me resguardo ao vento, brisa que me sustenta
desenrolo os nós das expectativas
apesar de previsível, sucumbo!
Redemoinhos emotivos, perigo farejado
me entrego e fujo.
Também posso ser selvagem por natureza.



por Tatiares

vendredi 4 décembre 2009

As cores do cinza

Do imenso todo azul do céu ao crepúsculo refletido em fitas aleatoriamente listradas. A cor das nuvens outrora cinzas, agora reluz a força vibrante do se querer colorido do se querer belo. Tons coloridos como tecidos da Caxemira se sobressaltam ao horizonte entre o azul e o avermelhado, o rosa mais vivo enrubrecido num dégradé envioletado que até o cinza se torna cor!
foto: por Tatiares