mardi 24 mai 2011

sombra fractal

imagem de um caleidoscópio vazio

fractal de uma esfera − apenas no plano imaginário
facetas múltiplas de um factual regarde
Qu’est-ce que je vois vraiment ?
a luz, l’ombre et toi ?


um caleidoscópio vazio, também faz imagem.
Où ?
Dans l’imaginaire ordinaire ou na realidade alterada,
tudo se completa e, nem sempre, ela é contemplada.
Há algum tempo, são as palavras que se escolhem −  por si próprias,
autônomas, bem livres.


Et, moi ? Je sombre.


por Tatiares

lundi 23 mai 2011

As Coisas Secretas da Alma

 Em todas as almas há coisas secretas cujo segredo é guardado até à morte delas. E são guardadas, mesmo nos momentos mais sinceros, quando nos abismos nos expomos, todos doloridos, num lance de angústia, em face dos amigos mais queridos - porque as palavras que as poderiam traduzir seriam ridículas, mesquinhas, incompreensíveis ao mais perspicaz. Estas coisas são materialmente impossíveis de serem ditas. A própria Natureza as encerrou - não permitindo que a garganta humana pudesse arranjar sons para as exprimir - apenas sons para as caricaturar. E como essas ideias-entranha são as coisas que mais estimamos, falta-nos sempre a coragem de as caricaturar. Daqui os «isolados» que todos nós, os homens, somos. Duas almas que se compreendam inteiramente, que se conheçam, que saibam mutuamente tudo quanto nelas vive - não existem. Nem poderiam existir. No dia em que se compreendessem totalmente - ó ideal dos amorosos! - eu tenho a certeza que se fundiriam numa só. E os corpos morreriam.

Mário de Sá-Carneiro, em 'Cartas a Fernando Pessoa'



dimanche 8 mai 2011

parangolés d'imagens



de um parangolé 
todo samba no pé
de verdade em verdade
nada de fato o é


o dito 'cult' do momento
o visto
o badalado
o famoso
o bem frequentado


e tem muita gente 
achando que vida é imagem


e o que será que essa gente sente 
quando olha pra dentro...
cadê a semente?


 claro que mente
põe rolha na nascente
e segue a vida
às enxengentes.


oh! gente!


cadê o parangolé de verdade?
aquele da livre expressão
e quebra da intelectualidade?
aquele mais perto da realidade!


cansei de tanta imagem.


Tatiares 

mercredi 4 mai 2011

deriva



o tempo passa devagar
no meu tempo de querer passar


mas, no andar
mais que caminhar 
calcula a probabilidade 
quando na camada:
o limite


um it 
rien de tout, coisa
não, se singular.


por Tatiares


lundi 2 mai 2011

Tithonus de Aurora


Um envelhecer de fora e por dentro
no vazio daquele alento
Rebento, Rebento.


... e o belo que era belo ficou feio
quase não se tinha mais recreio
no canteiro... só o canteiro.


nada de ode à beleza
nem nympha, nem princesa
já não existia mais nobreza
a palavra era grotesca.


E Dirceu já não dizia:
“... A minha amada
é mais formosa
que branco lírio,
dobrada rosa,
que o cinamomo,
quando matiza
co’a folha a flor:
Vênus não chega
ao meu amor...”


E Marília procurava a deus.




Tatiares

Rebento