mercredi 21 avril 2010

Propulsar


Pulso meu palpitar ardente
cresço dentro de mim
a projetar meus anseios sentidos,

como uma onda de pressão a deslocar
radial e radicalmente tudo o que é resistência,
inflexível ou de difícil traquejo.

Quero o não-cristalino exposto
a materializar as pluraridades e seus vertedouros,
desfazer os nós das enervações e deixar jorrar:

o quê de mim transborda,
o quê do mundo desaba,
o quê o infinito pró-pulsa.


por Tatiares

vendredi 9 avril 2010

nos conglomerados dos sertões


morte e vida peregrina
noite que desatina
a falar, sua sina
cabeças decapitadas: alucina!

Indivíduo, filho da esquizofrenia
aquele que só ia
preso em sua arritmia
mais falava, menos fazia.

ilusório dia em maresia
ladainha severina!
de tão pouca poesia
vive a morte como rotina.

por Tatiares