lundi 7 janvier 2013

envergo mas não quebro



"...Em tempos de tempestades
Diversas adversidades
Eu me equilibro e requebro
É que eu sou tal qual a vara
Bamba de bambú-taquara
Eu envergo mas não quebro..."

mercredi 2 janvier 2013

Outro

Móvel
movo-me,
movem-se também as nuvens
fios de um condensado, tecidos
                                     nada denso − via-se através
a flutuar, ao movimendo do ar
                                      fresco ao revés.

Esse é o cheiro do sentir desse momento,
início de algo contínuo, num ciclo retorno,
de um novo começo
                        reverenciado seja outro
                             nada mais do mesmo.

Tatiares