jeudi 28 octobre 2010

nano espaço


Dentro do espaço imenso e virtual


do micro armazenamento imaterial e real


guarda-se coisinhas e truques,


átomos multi-sabores e nanos-chicletes,


mili-mares de litros, bites e hidrogênio...


Tudo na sacola do dimesionável mundo novo,


sem precisão da escala de tempo,


com endereço e selo único,


bem abrigado do relento.


por Tatiares

lundi 25 octobre 2010

Le bois en bois



Na madeira, linhas, estalos e repetições
barbantes amadeirados ainda trazem o cheiro da floresta…

Dégradés ondulados, furos e borrões
antes, árvores! Antes árvore do que superfície.

Desenhos úmidos, nuances e imperfeições.
Do nylon bantendo na madeira, ondulações…

(…)

Le bois, les bois…
Les bois au bois…
(…)

En bois…
Fibras a estirar seus padrões,
Um interno todo em perfeições.

Seiva, xilema, trajeto em poema…
de uma pele com exaltados arranhões.

Por Tatiares

mardi 12 octobre 2010

Pastis redundância anis

Flor de lis
em cada canto
licor de anis
pra melhorar o canto.

Le pastis
um encanto
do pais
onde planto.

Flor de anis
prum novo encanto
licor de Pastis
pra tudo que é canto.

Le lis
no meu canto, planto
mais de um pais.
Eu canto.

por Tatiares

lundi 4 octobre 2010

Primeiros contatos poéticos d'un coup d'oeil du velho mundo

Hoje faz uma semana que enfim cheguei ao meu tão esperado novo lugar,
me sinto daqui sendo dai e não pertencendo a lugar algum.


Em meio às montanhas vejo meus diminutos pesares e meus grandiosos aspirares,
neblinas altas a cobrir os vales, a dançar ao redor dos topos todos glaçados em neves.

Às vezes, quando caminho ao lado, penso que Anteu vai se levar...
porque sua força é sentida, grandiosa.


Em meio ao terreno todo plano que a cidade propõe,
ando e ando, como não fazia há algum tempo...
assim, o tempo na minha cabeça é diferente,
vejo mais e dá tempo pra rodopiar na mente.


Ativo meu lado lírico-eletro-poético-químico
no dia de cada dia,
e na noite de cada dia
escolho sem rotina!


por Tatiares