mardi 21 juin 2011

Impermanência

‘o que tem que ser, tem muita força’


seja dito, o dito popular,
cheio de crenças  esperançoso.

se desprendido de expectar
desesperadamente, sem esperar
um vento forte leva e trás
poeiras, amores e sais.

ao se edificar todo o casebre
com areia, pedra e ramos silvestres,
bem se sabe:
depois da ventania,
da ressaca do vento, do mar;
bem além da maresia,
nada perdura neste lugar.


por Tatiares

'enquanto o caos segue em frente com toda a calma do mundo'


Sereníssima [Legião Urbana]

vendredi 10 juin 2011

comunicação direta


Eu não acho mais graça nenhuma nesse ruído constante
que fazem as falas das pessoas falando,
cochichando e reclamando,
que eles querem mesmo é reclamar,
como uma risada na minha orelha,
ou como uma abelha, ou qualquer outra coisa pentelha,
sobre as vidas alheias, ou como elas são feias,
ou como estão cheias de tanto esconderem segredos
que todo mundo já sabe, ou se não sabe desconfia


Eu não vou mais ficar ouvindo distraído
eles falarem deles e do que eles fariam se fosse com eles
e o que eles não fazem de jeito nenhum,
como se interessasse a qualquer um.


Eles são: as pessoas, todas as pessoas, fora os mudos.
Se eles querem falar de mim, de nós, de nós dois,
falem longe da minha janela por favor,
se for para falar do meu amor.


Eu agora só escuto rádio, vitrola, gravador.
Campainha, telefone, secretária eletrônica eu não ouço nunca mais,
pelo menos por enquanto.

Quem quiser papo comigo tem que calar a boca enquanto eu fecho o bico.


E estamos conversados. [Arnaldo Antunes]

mercredi 1 juin 2011

descampado


um mundo que passa, campos, fenos e afins
isso bem mostra o descampado
nu, inteiro nu d'um mundo

nuvens cumulares num céu de empuxos
ao mesmo tempo, fluxos sanguíneos
deslocados, quasi aéreos
pelas alturas, se levando...
fluir em um laissez tomber
todo independente do abissal
descomunal espaço entre
o mundo.



por Tatiares