mercredi 29 avril 2009

moça-velha

O Eu de uma moça olha atento uma velha do outro lado da rua. A velha já meio bangela espreitava, solitária, o movimento da ruela: cachorros, motos, pombos e gazelas.

A moça, ainda não bangela, ainda não solitária, mas já meio velha, contemplava o céu de uma noite amarela e luar novo, nuvens lacrimosas e estrelas velhas. Um armazém à esquina delas, vendia coisas novas e velhas, reunia, no fim da tarde, pessoas novas e velhas com sorrisos de sem graça, de sem jeito, de fato, conversas amarelas.

Talvez a velha já não percebesse mais o tom amarelado dos sorrisos e gestos, ou melhor, já não lhe interessava mais se eram novas ou velhas, as palavras delas, no fundo, só lhe importava as sensações encontradas em cada olhar. Foi assim que o Eu da moça viu uma moça-velha.
por Tatiares

mardi 14 avril 2009

Le color print temps


O só de um é a neve gélida do outro
como se fosse o sufocar de um grito
Pergunto onde está aquele lugar
de dizeres florais
ou mesmo o compartilhar de um vinho rouge.
Quero mais de um amor-surreal
amor que chega sem avisar
e atrai meus olhares e ouvidos
boca e coração.
Não! Não cabe o só em um nó romântico
há muita cor nesse nó que o só cinza
só pode se render!
Como a neve se rende às cores e perfumes
de uma primavera digna das tulipas holandesas
ou ainda dos jardins de Monet.
Quero ver ouvir viver
e vim para te querer.
por Tatiares

Choro-perdão

Um choro-canção embala um coração
lágrimas a lavar os olhos de uma alma
apertada e triste sentindo solidão.
Memórias de um querer que de tão doce acalma
querência que outrora fora fusão
agora busca o choro-perdão.
por Tatiares

jeudi 9 avril 2009

CéU celebra o belo do universo - Concrete Jungle (Bob Marley)



No sun will shine in my day today; (no sun will shine)
The high yellow moon won't come out to play:(that high yellow moon won't come out to play) I said (darkness) darkness has covered my light,(and the stage)
And has changed my day into night, yeah.
Where is the love to be found? (oo-ooh-ooh)
Won't someone tell me?'
Cause my (sweet life) life must be somewhere to be found -(must be somewhere for me)
Instead of concrete jungle (jungle!)
Where the living is harder (concrete, jungle!).
Concrete jungle (jungle!):
Man you got to do your (concrete, jungle!) best. Wo-ooh, yeah.
No chains around my feet,
But I'm not free, oh-ooh!
I know I am bound here in captivity;
G'yeah, now - (never, know)
I've never known happiness;(never, know)
I've never known what sweet caress is -Still,
I'll be always laughing like a clown;
Won't someone help me?
'Cause I (sweet life) -I've got to pick myself from off the ground
(must be somewhere for me), he-yeah! -In this a concrete jungle (jungle!):
I said, what do you got for me (concrete, jungle!) now, o-oh!Concrete jungle (la la-la!),
ah, won't you let me be (concrete, jungle!), now.
Hey! Oh, now!

Olhar


Observar
procurar entender
o que se passa
ou o que virá
as pessoas
as vozes
vem e
vão
como os olhares
perdidos
que buscam
palavras
não expressas
nestes mesmos
olhares
por Tatiares

mercredi 8 avril 2009

Earth Day - umbigo's Day - The planet dont need salvation, the umbigo's do!

As luzes se apagam!
Pessoas eufóricas agradecem pela salvação do planeta.
Agora que já fizeram suas boas ações do dia, por compensação, vão se permitir algum prazer.
Só espero que o desejo não demande muita energia, por favor!


por Tatiares

mardi 7 avril 2009

Les crayons de lumière



La vie, la beauté, la ternitude

les bateaux aux vents comme de caravanes.

Il faut qu'il ait de la solitude

solitude de la mer ...


L'automne des parcs et de fleurs rêvées

aimez vos livres êtres

la densité de nuages vert olive

comme les champs de blé

les rayons de lumière

les crayons de lumière


La lumière de la vie

les crayons et les rayons

la couleur des fleurs

le tout et le trou.
por Tatiares

lundi 6 avril 2009

Psicologia de um vencido - Augusto dos Anjos


Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundíssimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância...
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há-de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!

vendredi 3 avril 2009

Paradoxos viciosos


Muito se diz do pouco que se sabe
bactérias softwares e vírus
estratégias mercado e bolsas
valores morais e indivíduos
débito ou crédito?
cães ou gatos?
casa ou apartamento?
Estudar para oportunidade ter
dinheiro para aquisição de
bens status jóias e tecnologias
Ou religiões filhos e cursos para evoluir
espiritual e intelectualmente
jardim ou sacada?
peixes ou ramisters?
à vista ou no prazo?
bem estar para qualidade de vida ter
decoração artigos de luxo
cultura massas e drinks exóticos
Clássico ou da moda?
A estupidez, comme d’habitude, SVP!


por Tatiares