mercredi 24 août 2011

De uma chama

Guindastes suspensos, fios extensos
paisagem urbana aos oito ventos
de um infinito enquadramento
submetido ao meu ver...
e vejo.

Detalhes, partículas pequenas,
em suspensão
numa solução bifásica
dinâmica, ardente e mutante...


e mudo.

Subjetividades sem fim
moinho imenso
vista pra dentro, no fundo
adentro...


à la résilience
de tout les liens cachés
enfermés et pourris…

e chamo.


por Tatiares

mercredi 17 août 2011

Fragmento do 'Poema sujo' - Gullar

'... que dizer da circulação
da luz solar 
arrastando-se no pó debaixo do guarda-roupa
entre sapatos?
                       e da circulação 
dos gatos pela casa
dos pombos pela brisa?
e cada um desses fatos numa velocidade própria
                 sem falar na própria velocidade
que em cada coisa há
        como os muitos
sistemas de açúcar e álcool numa pêra,
         girando
todos em diferentes ritmos
                                         (que quase
se podem ouvir)
                          e compondo a velocidade geral
que a pêra é
do mesmo modo que todas essas velocidades mencionadas
                   compõem 
(nosso rosto refletido na água do tanque)
o dia 
que passa
...'

mardi 16 août 2011

e quem quer ver





do nada muitas vezes morto
abosrto no emranhado interno
Intrínseco ao  indivíduo...


neblina envolta aos olhos
vê-se o que se consegue ver
cresça frente à névoa, diz
e se faz fiel ao passo...
1
2
...
3
.
.
.
infinitos e quantos necessários ao :


Cê-si.


por Tatiares

lundi 8 août 2011

Believes


Pode até ser que querem a mesma coisa…
acreditamos, sim queríamos se quiséssemos.
...e o quê poderíamos fazer?

What could I do for you? Do you really know?
What do you want from me besides my incomprehension?
… my dark thoughts after a nonsense word?
… all my sorrow, my misery?
Qu’est-ce que tu sais à propos de mon amour ?
L’amour, mon amour, ça te va comme ça ? ça suffit ?
Pas pour moi, l’amour ne me suffit jamais,
 il me faut toujours plus…

Mais amor, se há tanto amor,
Sobra amor pr’além das intimidades déjà existentes?
Porque ter intimidade com o que se cresce com, é fato,
agora, ter intimidade com o que se escolhe com, isso é arte,
demanda criação... querência, e nunca basta,
precisa d’arroser todo dia, saborear todo bendito dia.

Só assim há de haver crença
no além desse mesmo dia.
... e o quê podemos fazer?

por Tatiares

vendredi 5 août 2011

O oco

Flutuava ao vento
como um lenço de pano
todo colorido
a dançar no vazio.

Ao fundo
os violinos esguios
de Deer Stop do Goldfrapp
ao vento
lento
amplo
compreendido...
perfeitamente compreendido.

Vi o oco.

por Tatiares