mardi 21 juin 2011

Impermanência

‘o que tem que ser, tem muita força’


seja dito, o dito popular,
cheio de crenças  esperançoso.

se desprendido de expectar
desesperadamente, sem esperar
um vento forte leva e trás
poeiras, amores e sais.

ao se edificar todo o casebre
com areia, pedra e ramos silvestres,
bem se sabe:
depois da ventania,
da ressaca do vento, do mar;
bem além da maresia,
nada perdura neste lugar.


por Tatiares

4 commentaires:

  1. Direi o óbvio, mas com sinceridade: bonito poema, "desprendido de expectar, desesperadamente, sem esperar".

    RépondreSupprimer
  2. o poema permanece, quem escreve tambem.

    RépondreSupprimer
  3. um poema cheio de nostalgia. bonito, sempre, tati...


    beijos.

    RépondreSupprimer
  4. Após tantos dias o poema permanece aí. Tem permanencia entre poema. É um poema que gosto de ler varias vezes. Parabens e tudo de bom.

    RépondreSupprimer